Início Silagem Colheita de silagem: como o ponto de colheita determina sua qualidade

Colheita de silagem: como o ponto de colheita determina sua qualidade

Colheita de silagem: como saber o ponto ideal de colheita, entenda mais sobre o amadurecimento da planta e como obter a máxima qualidade nessa etapa da produção.  

A decisão do momento ideal de iniciar a colheita do milho para silagem é sem dúvida a mais importante do processo de produção de silagem.  
 
Uma decisão errada nessa fase, pode comprometer não só o desempenho, mas como a saúde dos animais. 
 
Aqui reunimos as principais dicas para saber o ponto correto da colheita de silagem, além de entender como a planta amadurece e mais! 

Ponto de colheita de silagem: observe a linha do Leite 

Do ponto de vista prático, temos essa característica visual, observada na espiga e que indica a fase de desenvolvimento da lavoura. A recomendação do ponto de colheita de silagem é definida por esse fator associado ao teor de matéria seca da planta inteira. 

Devemos buscar a metade da linha do leite com a planta apresentando teor de matéria seca entre 32 a 35% quando for utilizado colhedoras sem processador de grãos (Cracker).  

Quando a colheita for realizada por automotriz com cracker em boas condições de trabalho, podemos colher a lavoura com a linha do leite entre ½ e ¾ com a planta apresentando teor de matéria seca entre 35 e 37%.  Essas são as condições ideias de colheita que irá proporcionar o melhor acumulo de energia na massa e apresentar ainda boas condições de fermentação do material no silo

Veja mais sobre o assunto e o processo de ensilagem neste artigo do blog.  Também falamos sobre ponto de colheita de silagem neste episódio do BM Web: 

Entendendo o ponto correto de colheita de silagem 

Para que fique claro qual é “ponto ideal de colheita de silagem” precisamos entender como a planta de milho amadurece.  

Como a planta do milho amadurece: partes da planta 

Até a florescimento, a planta de milho basicamente acumula fibra. Quando trabalhamos com nutrição de ruminantes, utilizamos o termo FDN (Fibra em Detergente Neutro) para referirmos a porção fibrosa.  

Na planta de milho, os componentes que contribuem com fibra são: o colmo, as folhas, palhas da espiga e o sabugo.  Em média, a planta de milho apresenta 60% de componentes fibrosos. Os demais 40% sãos grãos. 

Como na silagem de milho planta inteira a maior parte é composta por FDN (fibra), precisamos entender como essa fração nutricional impacta nos animais.  

Fibra é fundamental na saúde dos animais ruminantes, exercendo uma função de estímulo à mastigação (ruminação + ingestão), auxiliando na modulação do padrão de fermentação ruminal e evitando quadros de acidose.   

A fração fibra da silagem de milho também contribui como fonte de energia. Só que para haver essa contribuição energética, a fibra precisa ser digerida no rúmen.  

Por esse motivo, precisamos considerar a digestibilidade da FDN na escolha da forragem, seja silagem de milho, aveia, azevém, capim ou qualquer outra forragem. Se não digerir, não fornece energia para o animal. 

Para cada unidade de aumento na digestibilidade da fibra, resulta em aumento no consumo de matéria seca em 0,17 kg e como consequência um aumento de 250 mL de leite (Allen, 2000). 

Nós sabemos que as folhas é a parte da planta que apresenta maior digestibilidade de fibra. Entretanto a maior parte da fração fibrosa da planta de milho é colmo.  

Diante dessa informação, nós precisamos optar por híbridos específicos para silagem que possuem alta relação de folhas e colmos macios (menor teor de lignina), o que irá aumentar a digestibilidade da fibra da silagem como um todo. 

Como a planta do milho amadurece: acúmulo de grãos 

Após o florescimento (emissão do pendão), inicia-se a formação e enchimento dos grãos. 

Uma boa lavoura de milho, acumula em média 150 kg de grãos por hectare/dia, na fase de enchimento. O acúmulo é praticamente linear. 

Pense em uma lavoura que no momento de ensilagem, possui uma carga de 130 sacas de milho/ha. Isso representa 7800 kg de milho. Se dividirmos essa produção por 50 dias (fase de enchimento da espiga) chegaremos a exatos 156 kg de milho por hectare / dia. 

Essas duas espigas abaixo ilustram bem a situação. Elas foram colhidas na mesma lavoura, porém, com uma diferença de 25 dias uma da outra e secas naturalmente ao ar. Percebe-se facilmente a grande diferença no volume das espigas.   

Duas espigas de uma mesma lavoura, sendo que a da esquerda foi colhida 25 antes do que a espiga da direita. 
Fonte: Willian Santos 

Em média, a antecipação em 10 dias no ponto ótimo de colheita de silagem, resulta na perda de 1500 kg de milho/ha. Não podemos permitir que isso aconteça!  

Os grãos, que compõe aproximadamente 40 % da silagem de milho, são responsáveis pela maior contribuição energética da silagem. Isso porque os grãos apresentam alta digestibilidade, ultrapassando 90%, durante sua passagem pelo trato digestivo total. 

Entretanto, para que estes níveis altos de digestibilidade sejam alcançados, precisamos nos atentar a alguns fatores. O primeiro deles é o processamento de grãos. Os grãos precisam estar quebrados em pelo menos quatro partes.  

Outro ponto fundamental, é que estes grãos precisam ser de baixa vitreosidade (grãos dentados).  

Na figura abaixo, temos o fracionamento da parte vítrea (baixa digestibilidade) e da parte farinácea (alta digestibilidade).  Quanto mais farináceo mais digestível! 

Grãos fracionados em parte vítrea e parte farinácea. 
Fonte: Willian Santos  

Saiba mais sobre silagem em:   
Como garantir um bom plantio de milho para silagem 
Análise Bromatológica: o que é e como fazer sua interpretação 

Conclusão 

O ponto ótimo de colheita de silagem deve ser tratado com muita atenção pelo responsável, sempre que possível associando a linha do leite com o teor de matéria seca da planta inteira.  

A colheita antecipada gera prejuízos, devido ao menor acúmulo de grãos assim como a colheita tardia prejudica a qualidade de fermentação.  

Devemos trabalhar para realizar a colheita de silagem dentro da janela ótima, e buscando alternativas para estender essa janela, como a escolha correta de híbridos específicos para produção de silagem.  

Bibliografia 
*Colaboração de Willian Santos, engenheiro agrônomo, Msc Produção Animal (UFLA) e pesquisador na ESALQ/USP. 

ALLEN, M. S. Effects of diet on short-term regulation of feed intake by lactating dairy cattle. 2000. Journal of dairy science. 83:1598-1624. 

BASTOS, M. S. Características agronômicas de híbridos de milho para produção de silagem cultivados em quatro estados brasileiros. 2019. 69 f. Dissertação (Mestrado em Produção e Nutrição de Ruminantes) – Universidade Federal de Lavras, UFLA, Lavras, 2019. 

KUNG JR., L.,  R. D. SHAVER, R. J. GRANT, AND R. J. SCHIMDT. Silage review: Interpretation of chemical microbial, and organoleptic components of silages. 2018. Journal of dairy science. 101:4020-4033. 

ZOPOLLATTO, M. Produtividade, composição morfológica e valor nutritivo de cultivares de milho (Zea mays L.) para produção de silagem sob os efeitos da maturidade. 2007. 228 f. Tese (Doutorado em Ciência Animal e Pastagens) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiros, USP, Piracicaba, 2007. 

WEISSBACH, F. The future of forage conservation. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON FORAGE QUALITY AND CONSERVATION, 2 ., 2011, São Pedro. Proceedings. Piracicaba: FEALQ, 2011. P.319-363. 

Você já conhecia todas essas informações sobre o ponto de colheita de silagem? Tem mais alguma dica? Deixe seu comentário abaixo! 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

EVENTOS PARCEIROS

Mais Lidas

Capim-colchão: como controlar e identificar na sua lavoura

O capim-colchão pertence ao gênero Digitaria, o qual inclui cerca de 300 espécies de plantas ao redor do mundo, principalmente em regiões tropicais e subtropicais.  

Milho superprecoce: benefícios e cuidados no seu cultivo

Milho superprecoce: veja quais os híbridos superprecoces no mercado, saiba também quais suas vantagens e os cuidados necessários.  Dentre as aplicações tecnológicas...

Glifosato: quando aplicar e outras dúvidas respondidas

Glifosato: quando posso aplicar na lavoura, principais características, manejo da resistência e muito mais!  O uso do glifosato já...

Avaliação do processamento de grãos: análise KPS para produção de silagem de qualidade

KPS e processamento de grãos: aprenda com algumas metodologias como ajustar a picagem da planta para adequada produção de silagem, gerando um alimento de alta qualidade. 

Capim-amargoso em milho: como fazer o controle

Capim-amargoso: como identificar essa planta daninha, quais herbicidas tem melhor resposta no manejo, controle cultural e muito mais!  O capim-amargoso Digitaria insularis (L.) Fedde, é...