Início Silagem Milho dentado: como o tipo de milho influencia a alimentação animal

Milho dentado: como o tipo de milho influencia a alimentação animal

Milho dentado: o que é, quais os tipos de milho e como o milho dentado pode aumentar a sua produção de leite e carne.

Milho é tudo igual? O mesmo híbrido que uso para produzir grãos é o que deveria ser utilizado para produção de silagem?

A resposta para ambas as perguntas é não. Diferentes tipos de milho possuem diferença na disponibilidade do amido que é melhor aproveitado pelos animais.

Pode até parecer um detalhe, mas isso muda drasticamente os resultados de produção de leite e carne. E nós vamos mostrar aqui alguns exemplos práticos disso.

Vamos abordar também quais são os diferentes tipos de milho, qual a diferença do milho dentado e tipo flint e mais!

Quais são os tipos de milho? 

Há diversos tipos de milho, os quais são definidos por sua estrutura interna, proporções de endosperma mole e duro, e quantidade de amido presente. Essas diferenças dos tipos de milho permitem que eles sejam utilizados para diversos fins. Veja a seguir os principais tipos: 

 Milho duro (flint) 

O milho flint é conhecido por sua camada externa dura que protege o endosperma pequeno e macio dentro do grão.   

Eles têm uma aparência vítrea. A dureza do grão permite que essas variedades armazenem muito bem e sejam menos suscetíveis à predação por insetos e roedores.  

Milho dentado 

O milho dentado recebeu esse nome por causa da aparência do grão à medida que seca. Os grãos contêm uma forma dura de amido nas laterais e um tipo macio no centro.  

Esses amidos centrais tendem a encolher à medida que o grão seca, criando uma pequena depressão na parte superior do grão.  

Em todo o mundo, é usado principalmente para ração animal, alimentos processados e etanol.

Diferença visual do milho flint (à esquerda) e milho dentado (à direita)
Fonte: Luis Eduardo Zampar

Milho doce 

O milho doce é o milho açucarado padrão. O que diferencia o milho doce de outros tipos de milho é que seu gene açucarado impede que o açúcar se converta em amido durante o desenvolvimento do endosperma.  

Ao invés disso, os grãos secos e açucarados ficam enrugados e vítreos. Muito comum nos Estados Unidos, o milho doce é comercializado fresco para os consumidores e não é usado como ração para gado.  

Milho pipoca 

O milho pipoca é considerado um dos tipos de milho mais antigos. Suas condições de crescimento são semelhantes às do milho dentado. 

Os grãos da pipoca são pontudos como o arroz ou redondos como pérolas. Tipos primitivos de pipoca têm camadas finas de sementes, enquanto milhos encontrados mais recentemente têm camadas grossas de sementes. 

Diferença entre milho dentado e duro 

Visualmente, os grãos duros possuem formatos mais arredondados e lisos, enquanto os grãos dentados são mais profundos (granes) e com uma indentação, como já comentamos, na parte superior do grão. 

Grãos do tipo dentado são mais macios e, portanto, mais fácil de processar, tanto pelo animal quanto pela colhedora.  

Já grãos do tipo flint são extremamente compactados conferindo uma maior vitreosidade e densidade. Isso faz com que o animal não consiga digerir e aproveitar todo o milho. 

Fonte: Progessive Dairy traduzido e adaptado por Sementes Biomatrix

Por que o milho dentado é melhor para a produção animal? 

O grão dentado é mais macio e seu amido é mais exposto, permitindo que as enzimas digestivas dos animais consigam fazer toda a digestão e aproveitar melhor o amido e nutrientes. 

Mas para responder essa pergunta completamente, temos que ter em mente a razão da dureza do grão., a qual é determinada pela composição proteica do mesmo. 

Ao redor de 70% do grão de milho é composto por amido. Esse amido fica distribuído na forma de grânulos, que por sua vez, estão “mergulhados” por uma matriz proteica.  

No milho dentado, a maior parte da matriz proteica é esparsa, porosa e frágil, fazendo com que o amido seja facilmente alcançado por substância como as enzimas da digestão dos animais. No grão tipo flint, a maior parte da matriz proteica é densa e fortemente presa ao amido (endosperma vítreo). 

Endosperma de grão duro (flint): mais denso e compacto, dificultado acesso ao amido
Endosperma de grão dentado: mais esparso e poroso, facilitando o acesso ao amido nele presente

Nesse sentido, trabalhos ao redor do mundo demonstram que endosperma vítreo e compactado (tiplo flint), obteve menor degradabilidade ruminal, como o que podemos ver abaixo.

Gráfico extraído de trabalho com híbridos norte-americanos e brasileiros, demonstrando que quanto mais o híbrido possuir endosperma vítreo (mais do tipo com matriz proteica densa e compactada), menor a degradação ruminal do amido.
Fonte: Correa et al., 2002

Isso é um parâmetro importantíssimo na escolha de híbridos para silagem, reforçando que híbridos com grão duro (com a maior parte de endosperma vítreo) não são os melhores para a produção de leite e carne. 

Pesquisas brasileiras também apontam a maior produção de leite quando utilizamos genéticas de grão dentado. Abaixo é possível ver um estudo sobre milho para silagem, realizado em parceria da Sementes Biomatrix e Agroceres Multimix, mostrando a maior produção de leite com a alimentação com grãos dentados. 

Você pode ver mais detalhes dos híbridos da Sementes Biomatrix BM 3069 aqui e do BM 3066 aqui

A importância de híbridos certos para a produção animal 

Na composição química do grão de milho ainda temos em média 9,8% proteínas, 9,0% de fibra (basicamente FDN) 4,3% óleo, 1,6% cinzas e 3,3% outros elementos. 

Através de seleção de linhagens e melhoramento genético, podemos obter o que chamamos de milho especial de alta qualidade proteica, caracterizado pelo aumento dos aminoácidos lisina e triptofano, alcançando 12% de proteína.  

Como efeito benéfico na nutrição animal, podemos produzir dietas mais baratas, reduzindo os custos de produção. Aliás, a alimentação do rebanho é o maior custo de produção. 

Além disso, podemos obter milhos com alto teor de óleo (maior que 6%), proporcionando o aumento da energia no grão, o que favorece ainda mais o rendimento e o acabamento das carcaças. 

Processamento da silagem, tipo de milho e aproveitamento animal 

No Brasil, a indústria moageira de milho é do tipo moagem seca e em outros países continentais (EUA e Canadá), a principal forma é a moagem úmida e a utilização de equipamentos denominados de floculadores. 

Os floculadores tratam o milho com altas temperaturas e pressão, disponibilizando ao mercado um produto denominado de milho floculado, que possui altíssima digestibilidade e muito empregado nos confinamentos. 

A moagem a seco, praticada no mercado doméstico aqui do Brasil, rompe parcialmente as barreiras proteicas, incrementando o acesso de microrganismos e enzimas aos grânulos de amido.  

Já a ensilagem de grãos, denominada de silagem de grão úmido e/ou silagem de grão reidratado, são tecnologias acessíveis aos produtores brasileiros que rompem totalmente as membranas proteicas, assim como ocorre com os floculadores no exterior. 

 O milho dentado no Brasil e no mundo 

O milho ocupa papel de destaque como fonte de toda cadeia de produção animal, básico para aves e suínos e de uso estratégico para ruminantes (gado de corte e leite, ovinos e caprinos). 

O tipo de textura do grão define a melhor digestibilidade do amido no trato digestivo, principalmente a nível de rúmen, sendo este fator inteiramente genético. 

No mundo, países grandes produtores de milho são de clima temperado e cultivam o tipo dentado. No entanto, no Brasil ainda predomina o do tipo flint (grão duro). 

Mesmo assim, empresas de semente de milho, tem realizado inúmeras pesquisas científicas com o propósito de melhorar a performance dos pecuaristas, lançando materiais com grão dentado através da comercialização de híbridos específicos para silagem.  

A Sementes Biomatrix escolheu focar nesta área desde o começo de sua história, possuindo inclusive grande sinergia com alimentação animal pelas outras unidades de negócio do grupo em que pertence, a Agroceres. 

Isso significa que a Sementes Biomatrix tem pesquisa específica para silagem e com a seleção de híbridos com utilização de animais. O resultado, são materiais de alta produtividade e de qualidade superior em silagem. Você pode ver nosso portifólio completo de híbridos aqui

>> Entenda melhor sobre o plantio de milho para silagem nessa matéria: Como garantir um bom plantio de milho para silagem. 

Bibliografia 

*Colaboração de Luis Eduardo Zampar 

Correa, C.E.S.; Shaver, R.D.; Pereira, M.N., Lauer, J.G., Kohn, K. Relationship between corn vitreousness and ruminal in situ starch degradability. Journal of Dairy Science, v.85, n.11, p.3008-3012, 2002. 

Você já sabia de todas essas informações sobre o milho dentado? Restou alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo! 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Híbridos para safrinha: características para fazer a melhor escolha

Híbridos para safrinha: quais as características que o milho deve ter para minimizar possíveis prejuízos e garantir maior rentabilidade.  Você...

Implantação e manejo do consórcio milho-brachiaria

Consórcio milho-brachiaria: como impedir competição com o milho, como fazer manejo adequado e o ajuste de população de plantas, além de outras dicas...

Como plantar milho: 5 perguntas e respostas para alta produtividade

Como plantar milho: como preparar o solo para milho, épocas de plantio, diferenças entre milho silagem, milho-verde e milho grão e mais! 

Armazenamento de sementes de milho: importância e como fazer

Armazenamento de sementes de milho: entenda sua importância, os fatos que inferem no bom armazenamento e como fazer isso na revenda ou fazenda. 

Grãos ardidos em milho: manejo efetivo e sem prejuízos

Grãos ardidos em milho: quais são os fungos que causam, as condições que favorecem seu aparecimento e como fazer identificação e controle efetivo.