Início Safrinha Plantio de milho safrinha: conceitos, época de semeadura e ciclo

Plantio de milho safrinha: conceitos, época de semeadura e ciclo

Plantio de milho safrinha: veja o que é safra, safrinha e terceira safra, entenda sobre as épocas de semeaduras mais indicadas e o ciclo do milho.

O Brasil é um dos poucos países em que o cultivo subsequente de até três culturas de cereais é viável ao longo do ano.  

Cada período de cultivo é caracterizado por condições climáticas, manejo, estratégias e riscos diferentes, o que afeta diretamente o nível de investimento aplicado em cada sistema. 

Mas, especialmente na safrinha, alguns riscos são ainda maiores e estar atento a todas as questões que cercam o plantio é uma das melhores estratégias para minimizá-los. Confira a seguir todos esses pontos para um plantio e, consequentemente, uma safrinha de sucesso! 

Conceitos sobre safra, entressafra e safrinha 

O que é a safra? 

safra é o período de cultivo pioneiro no Brasil e ocorre durante a época do ano agrícola em que os fatores climáticos ligados à produção estão em níveis ótimos, pois a combinação entre temperatura, luminosidade e umidade (chuvas) condicionam o melhor desenvolvimento das plantas e a ocorrência de estresses associados ao clima é reduzida.  

Desta forma, a máxima expressão do potencial produtivo de espécies adaptadas a cada região ocorre na safra, salvo eventos raros indesejados. Isso justifica investimentos maiores pelos produtores nessa época, uma vez que a expectativa de produtividade e rentabilidade é também maior. 

O que é a safrinha? 

A safrinha corresponde ao cultivo realizado após a colheita dos cultivos da safra em condições de sequeiro. Inicialmente considerada uma atividade marginal, de elevado risco e baixa tecnologia, esse cultivo era sinônimo de baixas produtividades. Isso explica a adoção do termo “safrinha” cujo nome remete a esta inferioridade produtiva em comparação aos cultivos de safra. 

A expansão e evolução do sistema safra e safrinha nos últimos anos, representado grandemente pelo cultivo sequencial de soja e milho, demonstra que o termo safrinha já não representa o significado original devido ao aumento significativo da área plantada e produtividade de milho safrinha, como você pode ver nas figuras abaixo: 

Evolução da área plantada dos cultivos de milho safra e safrinha nas últimas décadas no Brasil 
Fonte: CONAB 

Evolução da produtividade média nacional de milho safrinha nas últimas décadas 
Fonte: CONAB 

O que é a segunda safra? 

segunda safra é o termo que foi adotado após esse crescimento substancial dos indicadores de produção dos cultivos safrinha. Na prática os termos safrinha e segunda safra são utilizados como sinônimos atualmente. 

Porém é bom lembrar que o conceito original de safrinha tem por definição o cultivo em sequeiro, sem irrigação complementar. Já o termo segunda safra engloba todo cultivo desenvolvido logo após a primeira safra, incluindo tanto o cultivo em sequeiro quanto o cultivo irrigado (mesmo que em proporção muito menor), como o exemplo do milho safrinha irrigado. 

O que é a terceira safra? 

Apesar de ser um conceito desenvolvido recentemente, a terceira safra corresponde a plantios iniciados após os meses tradicionais de plantio de segunda safra no Brasil. 

 Esse sistema é predominante na região nordeste nos estados do SEALBA que incluem Sergipe, Alagoas e Bahia, além dos estados de Pernambuco e Roraima. 

O que significa entressafra? 

A entressafra nada mais é que o período entre uma safra e outra. Se pensarmos no sistema soja-milho como exemplo, a entressafra irá ocorrer entre o fim da colheita do milho e o início do plantio da soja. 

Época de plantio: milho safrinha 

O sucesso do milho safrinha está diretamente relacionado à época de semeadura. Semear mais cedo, logo após a colheita da cultura de verão, aumenta as chances de se obter uma boa lavoura de milho safrinha pois diminuem-se os riscos causados pela redução da disponibilidade de água no solo (seca e veranicos) e redução da temperatura do ar no inverno (redução do metabolismo da planta e geadas). 

 A cultivar, o tipo de solo, latitude e altitude da região influenciam diretamente a época de semeadura do milho safrinha. 

 Os plantios de milho safra iniciam no mês de setembro prolongando até o mês de dezembro em algumas situações. Já os plantios milho safrinha e segunda safra ocorrem entre janeiro e março na grande maioria dos casos, seguidos pelos plantios de milho terceira safra que ocorrem entre os meses de abril e junho. 

 Vale ressaltar que semeaduras fora dos limites adequados ocorrem em todas as regiões em que se cultiva milho safrinha, principalmente em função das condições climáticas de cada ano e sistema de produção regionais. 

 Lembrando que a janela de plantio corresponde ao período do ano mais adequado para o plantio nos diferentes sistemas.  

Fonte: Leandro Tano

Podemos fazer o plantio de milho safrinha em março? Ainda estamos dentro da janela de plantio? 

Não existe uma regra específica que proíbe os plantios de milho safrinha em março. O ideal é que plantios no mês de março sejam restritos a primeira semana do mês ou evitados quando possível. 

 A ferramenta que pode ajudar o produtor nessa definição é o zoneamento agrícola de risco climático (ZARC) para cada ano na sua região, já que variações em níveis de radiação, tipo solo, latitude e altitude são vastas entre as regiões produtoras. Lembrando que o cultivo safrinha ocorre de algumas regiões do Paraná ao Acre. 

 Você pode conferir o ZARC para sua região neste link do MAPA, acessar o site e colocar algumas informações da sua área. 

 Além disso, estudos demonstram que o atraso na época de plantio pode levar a redução de mais de 50% na produtividade de híbridos de milho adaptados à safrinha do Mato Grosso, que é hoje o principal produtor de milho safrinha no país. Essa redução pode ser ainda mais severa dependendo das condições. 

Um planejamento bem feito do cronograma do cultivo de safra e safrinha é a melhor ferramenta para ajudar na antecipação de riscos associados ao cultivo em sequeiro. 

 Assim, a escolha de uma cultivar com precocidade adequada na cultura antecessora ao milho safrinha (na sua grande maioria soja), a logística de colheita, as condições climáticas durante o período de plantio e colheita da cultura antecessora, a escolha adequada dos ciclos dos híbridos a serem plantados na safrinha, dentre outros, são fatores determinantes no sucesso do cultivo de milho safrinha e na rentabilidade do produtor. 

 Mas afinal, qual o ciclo do milho safrinha

Ciclo do milho safrinha 

ciclo do milho safrinha corresponde ao número de dias a partir da semeadura que a planta ou lavoura precisa para que os seus grãos atinjam o ponto de maturação fisiológica. O ponto de maturação fisiológica equivale ao momento a partir do qual o enchimento dos grãos é cessado, ou ponto de máxima produção. 

 A partir desse momento a colheita pode ser iniciada desde que respeitado os níveis de umidade indicados para essa operação. 

 O plantio de milho safrinha ocorre durante a estação do outono estendendo o seu desenvolvimento até o inverno. Nesse período, a temperatura, a luminosidade e precipitação são menores comparado as estações primavera-verão em que os plantios de primeira safra se desenvolvem. 

 A redução desses fatores nesse período, principalmente a luminosidade, retarda o desenvolvimento das plantas de milho prolongando o seu ciclo em relação a um cultivo de primeira safra. 

Com a crescente demanda de híbridos de milho para a safrinha e uma janela de plantio mais ampla devido ao uso de variedades de soja mais precoces, os plantios iniciam em meados de janeiro até meados de março. Nos plantios de janeiro e primeira dezena de fevereiro, em geral as condições climáticas permitem obtermos as maiores produtividades, pois os híbridos encontram condições climáticas favoráveis em todas os estágios de desenvolvimento da cultura, mas o produtor deve ficar atento, pois é a época de plantio onde temos maior incidência de doenças.

O mercado de milho safrinha oferece híbridos com ciclos variados. Atualmente os híbridos são classificados de forma geral em três classes de precocidade: superprecoceprecoce e normal

Materiais superprecoces completam o seu ciclo entre aproximadamente 105 e 125 dias, materiais precoces entre 115 e 130 dias e materiais normais entre 125 e 140 dias. Essa variação depende da genética de cada híbrido, condições climáticas e manejo. Lembrando que plantios mais tardios tendem a estender o ciclo de um mesmo material. 

Impacto da escolha do híbrido na produção agrícola 

Um bom entendimento do ciclo e adaptação de cada híbrido escolhido para plantio de milho safrinha é essencial para a otimização da produtividade na fazenda. 

 Apesar da recomendação acima ser generalista, ela permite explorar de forma mais eficiente o maior potencial produtivo dos materiais de ciclo longo e ao mesmo tempo diminuir as perdas por estresse que podem ocorrer em plantios mais tardios. 

 Além disso, isso permite um escalonamento de plantio eficiente na propriedade permitindo que a logística necessária para todas as atividades subsequentes de manejo e colheita seja executada de forma eficiente, principalmente em grandes módulos rurais. 

 Porém a decisão final sobre a adequação do ciclo do híbrido safrinha ao período de plantio cabe ao responsável técnico de cada propriedade, já que ele entende as condições específicas e necessidades imediatas do sistema em que trabalha com maior clareza. 

Conclusão 

Entender o conceito de safrinha e suas peculiaridades é fundamental para o sucesso do cultivo de milho.  

 Aqui apresentamos conceitos simples que são essenciais para a obtenção de boas lavouras: entender os riscos, realizar o plantio no momento mais adequado e escolher híbridos com ciclos apropriados visando otimização da produtividade. 

Bibliografia 

* Colaboração de Geraldo Afonso de Carvalho Junior | Pós-doutorado em melhoramento de sorgo | PhD em Melhoramento de Plantas | Msc em Genética e Melhoramento de Plantas | BSc em Agronomia 

CONAB. 2021. “Série Histórica das Safras.” Companhia Nacional de Abastecimento. https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/serie-historica-das-safras?start=20

Cruz, José C., Décio Karam, Paulo C. Magalhães, e Marcio A. Resende Monteiro. 2008. A cultura do milho. Sete Lagoas: Embrapa. 

da Cunha, Breno A., Mariana M. de Negreiros, Karina A. Alves, e João P. Torres. 2019. “Influência da época de semeadura na severidade de doenças foliares e na produtividade do milho safrinha.” Summa Phytopathologica 45, no. 4 (02): 424-427. dx.doi.org/10.1590/0100-5405/188038. 

Ferreira Pinto, Felipe A., Henrique N. Medeiros, José C. Cruz, Israel A. Pereira Filho, e Aildson P. Duarte. 2019. “Como fazer uma boa safrinha de milho.” Campo e negócios, 02, 2019, 36-31. www.revistacampoenegocios.com.br. 

Magalhães, Paulo C., e Frederico O. Durães. 2006. “Fisiologia da produção de milho.” Circular Técnica 76 (Sete Lagoas), 12, 2006, 1-10. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/490408/fisiologia-da-producao-de-milho

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

EVENTOS PARCEIROS

Mais Lidas

Controle biológico de pragas: uso imprescindível

Controle biológico: entenda o que é, como aplicar em sua propriedade e quais são os diferentes tipos, além das vantagens e desvantagens. 

Silagem: como fornecer um alimento de alta qualidade para sua produção animal

Silagem: entenda o que é, seus principais tipos, características e saiba como produzir em quantidade e qualidade para alavancar sua produção animal 

Semente de milho: a protagonista da lavoura de sucesso

Semente de milho: entenda a diferença entre grão e semente, qual melhor forma de plantio, o que é semente híbrida e mais! 

Manejo de plantas daninhas em sorgo: Dual Gold e outras ferramentas de controle

Manejo de plantas daninhas em sorgo: competição das invasoras com a cultura, produtos recomendados, uso do Dual Gold, doses e outros. 

Estresse hídrico na cultura do milho: como minimizar os efeitos negativos

Estresse hídrico: entenda seus efeitos na planta do milho, quais os estágios mais críticos e como manejar para minimizar os prejuízos.