Início Silagem Tipos de silos para silagem: qual o melhor?

Tipos de silos para silagem: qual o melhor?

Tipos de silos para silagem: entenda as características de cada tipo e defina qual é o melhor que se encaixa na sua propriedade, além de ver como calcular o silo trincheira e mais! 

Existem diversas opções de estruturas para armazenar silagem e, por isso, às vezes fica difícil decidir qual a melhor para a sua fazenda. 

Todas as estruturas possuem pontos positivos, cabe ao produtor e ao técnico definir conjuntamente o que melhor se encaixa para a realidade da fazenda.  

 A decisão deve ser baseada em fatores como: tamanho do rebanho, capacidade de trabalho, capital investido e estratégias de alimentação. 

Vamos pontuar aqui algumas características de cada tipo de silo e também pontos-chave no dimensionamento que auxiliam nessa tomada de decisão. Confira! 

Além do artigo, você pode ver também o vídeo da nossa web série BM Web- Academia Online do Milho e Sorgo sobre o tema: Silos: qual é o melhor tipo e como fazer seu fechamento – BM Web Ep.3 T.1 

Tipos de silos para silagem: silo bolsa 

Para esse tipo de silo, precisamos obrigatoriamente de uma embutidora. Portanto, o produtor precisa considerar a aquisição de uma embutidora ou consultar a disponibilidade na sua região de terceiros para prestar o serviço.  

Fonte: Willian Santos 

A escolha do tamanho da embutidora e da bolsa (6 ,9, 12 pés ou qualquer outra largura), deve partir da demanda diária de silagem necessária para tratar os animais.  

Essa avaliação é fundamental para garantirmos um correto manejo do painel. Precisamos manter uma fatia de corte de pelo menos 30 cm/dia ou 250 kg/m² de painel no caso de silagem de milho planta inteira. Para grão úmido, retirar pelo menos 15 cm/dia de fatia de corte. 

Fonte: Willian Santos

A correta taxa de retirada irá evitar que sua silagem esquente no painel. Se estiver esquentando, atenção! Está ocorrendo perdas.  

A densidade de uma silagem de milho planta inteira bem compactada, oscila entre 500 e 600 kg/m³ e de grãos úmidos entre 1000 e 1200 kg/m³ em silos tipo bolsa (Holmes, 1998).  

Do ponto de vista de qualidade higiênica e de fermentação, os silos tipo bolsa são muito eficientes. O revestimento total da massa ensilada pela lona, evita o contato com a terra, melhorando o perfil de fermentação e diminuindo a chance de contaminação por microrganismos indesejáveis como os clostrídios, que estão presentes no solo. 

Outra aplicabilidade prática do silo bolsa muito interessante é relacionado à incidência de chuvas durante o processo de ensilagem. Como o material já está protegido não há necessidade de se preocupar em vedar o silo. Apenas interrompa a operação e retome quando possível. 

No momento da retirada, devemos ter cuidado para não levar pedaços de plástico junto com a dieta. 

A decisão por esse tipo de silo, além das características citadas acima, deve levar em consideração o maior gasto de lona comparado aos outros tipos de silo que comentaremos nesse artigo. 

Tipos de silos para silagem: silo trincheira 

Sem dúvida é o tipo de silo mais utilizado no Brasil para conservação de silagens de milho planta inteira.  

Esse tipo de silo, possibilita boa taxa de compactação (acima dos 650 kg/m³), menor gasto de lona por tonelada de silagem armazenada e um baixo custo de construção da trincheira quando feita apenas de terra. 

Porém, nós sugerimos que o produtor se estruture para ter alguns silos de concreto, pelo menos no fundo, para usar durante o período das chuvas. Época que o tráfego de máquinas dentro do silo produz muita lama. É um investimento com retorno garantido. 

Além de reduzir a quantidade de lama, os silos de concreto melhoram a qualidade higiênica da silagem e reduz perdas pós abertura. 

A construção da trincheira deve levar em consideração a necessidade diária de silagem da fazenda. Devemos retirar uma fatia de corte de pelo menos 30cm/dia ou 250 kg/m².   

Sabendo da demanda diária de silagem fazemos o dimensionamento. 

Como calcular as dimensões do silo trincheira  

Área da face do silo = Gasto diário (1500 kg) ÷ fatia de corte (250 kg/m²) = 6 m² 

Altura do silo = área da face do silo (6 m²) ÷ Largura do silo (4 m) = 1,5 m 

Não recomendamos fazer paredes laterias inclinadas, a menos que ocorra possibilidade de desmoronamento. 

O comprimento do silo vai depender da quantidade de silagem a ser armazenada, das condições topográficas do terreno e da densidade da silagem (Utilize 650 kg/m³ para realizar cálculos).  

Devemos possuir no momento da ensilagem peso de máquinas compactando equivalente a 40% da quantidade de milho picado que chega no silo por hora para termos uma excelente compactação. 

Por exemplo: 

  • Uma forrageira acoplada ao trotar que colhe 16 toneladas/h precisa de um trator de 6,4 toneladas compactando (16 toneladas x 40% = 6,4 toneladas)  
  • Uma automotriz colhendo 80 toneladas/h precisa de 32 toneladas de peso em tratores compactando o que chega ao silo (80 x 40% = 32 toneladas) 

Além disso, nesse tipo de silo é importante que façamos a compactação em forma de rampa inclinada a 45º graus e camadas finas de material. O turno de compactação deve ser igual ao tempo de colheita. 

Tipos de silos para silagem: silo superfície 

Na impossibilidade em se construir trincheiras para o armazenamento da silagem o produtor pode usar silos do tipo superfície. Os silos superfície, praticamente não envolvem custo com estrutura.  

No silo superfície, o material é depositado e compactado acima do plano do terreno.  

Fonte: Willian Santos

Nesse tipo de silo, devemos estar atentos para manter a relação largura:altura de 3 pra 1. Isso significa que a cada 3 metros de largura o silo deve ter 1 metro de altura. 

Se atente para não fazer silos muito largos e altos devido aos comprimentos de lona encontrados no mercado, e, se possível, evite fazer emendas de lona.   

Nos silos superfície, o gasto de lona por tonelada de silagem armazenada geralmente é maior quando comparado com silos trincheira. Esse maior gasto de lona é devido a menor densidade da silagem e a maior área a ser coberta. 

Os cuidados quanto ao manejo de retirada são os mesmos das estruturas anteriores.   

Conclusão 

Apresentamos as principais características de cada tipo de silo utilizado para armazenamento da silagem de milho.  

Como o silo trincheira apresenta grandes vantagens comparado aos demais, isso nos induz a dizer que é a melhor estrutura de armazenamento. Entretanto, nem sempre será possível a utilização dessa estrutura para todas as situações.  

O importante é termos em mente os conceitos básicos, para que possamos armazenar bem nossa silagem em qualquer tipo de silo. 

Bibliografia 

*Colaboração de Willian Santos, engenheiro agrônomo e Msc Produção Animal (UFLA).  

 
Choosing Forage Storage Facilities Brian J. Holmes, Ph.D. Professor Biological Systems Engineering Department University of Wisconsin-Madison Prepared for Dairy Feeding Systems Management, Components and Nutrients (NRAES-116) Natural Resource, Agriculture and Engineering Service Cornell University, Ithaca, NY, 1998. 

Você conhecia todos as características dos diferentes tipos de silos? Restou alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo! 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

EVENTOS PARCEIROS

Slide

Mais Lidas

Controle biológico de pragas: uso imprescindível

Controle biológico: entenda o que é, como aplicar em sua propriedade e quais são os diferentes tipos, além das vantagens e desvantagens. 

Silagem: como fornecer um alimento de alta qualidade para sua produção animal

Silagem: entenda o que é, seus principais tipos, características e saiba como produzir em quantidade e qualidade para alavancar sua produção animal 

Semente de milho: a protagonista da lavoura de sucesso

Semente de milho: entenda a diferença entre grão e semente, qual melhor forma de plantio, o que é semente híbrida e mais! 

Manejo de plantas daninhas em sorgo: Dual Gold e outras ferramentas de controle

Manejo de plantas daninhas em sorgo: competição das invasoras com a cultura, produtos recomendados, uso do Dual Gold, doses e outros. 

Estresse hídrico na cultura do milho: como minimizar os efeitos negativos

Estresse hídrico: entenda seus efeitos na planta do milho, quais os estágios mais críticos e como manejar para minimizar os prejuízos.