Início Silagem Amostragem de silagem: importância e como fazer

Amostragem de silagem: importância e como fazer

Amostragem de silagem: qual sua importância e o passo a passo de como obter amostras precisas para ofertar uma dieta equilibrada ao animal e aumentar a produtividade.  

Uma amostragem mal feita é uma das principais causas de resultados de análise de silagem não confiáveis.  

É importante fazer uma amostra representativa da silagem. Isso garante que os resultados sejam mais precisos e que a dieta formulada e entregue no cocho aos animais esteja realmente atendendo a demanda nutricional. 

Para realizarmos uma boa amostragem, precisamos seguir alguns critérios. Veja aqui todos os procedimentos. 

Importância da boa amostragem de silagem 

O principal quesito para uma análise de silagem confiável é colher uma amostra representativa do painel do silo. 

As forragens (Silagem de milho, sorgo, azevém, etc) são os ingredientes da dieta que apresentam maior variabilidade quanto ao valor nutricional. Esse fato não ocorre da mesma forma para os concentrados (Farelo de soja, milho, polpa cítrica, etc). 

Portanto analisar rotineiramente as forragens é fundamental dentro do sistema de produção. 

A análise de laboratório determina a qualidade da amostra enviada, mas os resultados não ajudarão a balancear as dietas se a amostra não representa o que realmente está sendo fornecido aos animais. 

Caso o resultado da análise utilizado para formular ou ajustar a dieta dos animais não represente de fato o valor nutricional da silagem, podemos comprometer seriamente a produção e a saúde dos animais. Obviamente a rentabilidade da atividade ficará comprometida! 

Lembrando que para a amostra ser representativa devemos seguir protocolos. Veja a seguir mais detalhes de como realizar a coleta dessas amostras. 

Você pode ver mais também sobre amostragem de silagem neste episódio do BM Web:

Quando fazer a amostragem de silagem? 

A amostragem da silagem para análise deve ser feita toda vez que abrimos um novo silo e de forma rotineira a cada 30 dias. 

Essas amostras devem ser analisadas por completo. Isso significa que devem ser enviadas ao laboratório para mensurar o teor de nutrientes (Amido, FDN, PB, E.E, etc), e atributos nutricionais (TTFDN, DFDN 30h, KPS, etc). 

 É importante que o protutor ou técnico crie uma pasta ou planilha com o histórico de resultados dessas análises para conferência e monitoramento.  

Esse arquivo ajuda muito a reduzir erros. Quer ver só um exemplo: Imagine que foi feita uma coleta de silagem para análise de um silo que vem sendo usado a 4 meses. Esse silo foi feito com o mesmo híbrido plantado numa mesma área e colhido no mesmo ponto de maturidade. 

Nessa análise vem um resultado que sua silagem possui um teor de amido de 24%. Porém, você desconfia por que possui três análises anteriores no arquivo com teor de amido de 30%.  

Se você não possui o histórico (análises anteriores), e age precipitadamente alterando a dieta com base somente nesse laudo, você pode desbalancear a dieta por completo causando grandes problemas nutricionais.      

Recomendamos ainda, que na fazenda se faça de uma a duas vezes por semana amostragem e análise do teor de matéria seca da forragem para ajuste da dieta.  

Sem sombra de dúvida essa é a mais importante ferramenta de monitoramento das forragens dentro do sistema de produção.  

Essa análise pode ser feita On Farm (Na fazenda) através da Air Fryer, micro-ondas ou Koster. 

Amostragem de silagem em silo trincheira 

Instruções de amostragem: 

  1. Defina o número de pontos a serem coletados com base no tamanho do painel 
  • Painéis de até 20 mrecomendamos no mínimo 6 pontos.   
  • Painéis entre 20 e 50 mrecomendamos no mínimo 10 pontos 
  • Painéis acima de 50 mrecomendamos no mínimo 15 pontos 

2. Faça a amostragem preferencialmente utilizando uma sonda própria para coleta de silagem  

Perfure pelo menos 10 cm adentro do painel e meça a profundidade com o bastão. 

Com as medidas de profundidade e peso da amostra é possível estimar a densidade do material ensilado, com o auxílio da tabela abaixo. (Razão peso ÷ volume). 

Conhecer a densidade do material tem grandes aplicações práticas, como por exemplo, fazer inventário da quantidade de silagem armazenada. 

Para tal, faz-se a cubicagem do silo e com a densidade média do silo estima-se a quantidade de silagem existe dentro da trincheira. 

Alguns trabalhos dos pesquisadores Igor Quirrenbach de Carvalho e Clóves Cabreira Jobim mostram que as perdas de silagem por descarte tiveram relação com a densidade da massa verde da silagem e tamanho de partículas. As perdas foram maiores nos silos com menor densidade da silagem (abaixo de 700 kg/m3). 

Silagem com partículas maiores e menor densidade, possuem maior porosidade e, portanto, infiltração de oxigênio durante o período de armazenagem e abertura, facilitando sua degradação. 

3. Após amostrar todos os pontos, fazer uma boa mistura do material coletado 

4. Faça o quarteamento e coletar uma sub-amostra de aproximadamente 500 gramas

Fonte: EsalqLab

5. Colocar a amostra em um saco plástico e com uma fita adesiva envelopar fortemente a amostra até virar uma bolinha densa.  

Lembre-se que, após algumas voltas do plástico, é importante furar a bola com algo pontiagudo e pressioná-la com bastante força para eliminar o máximo de ar do seu interior. 

Fonte: EsalqLab

A amostra deve ser enviada para o laboratório dentro de cinco dias. Caso não seja possível o envio dentro desse período, congelar a amostra para posterior envio. 

Identifique a amostra corretamente com os dados da propriedade (local/cidade), data de coleta, híbrido, e tipo de silagem (planta inteira, snaplage etc). 

Envie para um laboratório de sua confiança. 

Amostragem de silagem em silo bolsa  

Em silos tipo bolsa recomendamos fazer a amostragem em forma de cruz, como ilustrado na figura abaixo.  

Todos os demais procedimentos de coleta, armazenamento e envio da amostra para o laboratório segue exatamente os procedimentos informados anteriormente. 

Caso a face do silo seja muito grande, fazer mais pontos amostrais no sentido da extremidade da bolsa. 

Conclusão 

A principal fonte de erro em análise de silagens é a amostragem. Portanto devemos garantir que o procedimento de coleta seja muito bem executado.  

O que buscamos atualmente em uma nutrição de precisão é reduzir a variabilidade da dieta ofertada no cocho para os animais. E para isso, uma análise confiável para formulação e ajuste da dieta é fundamental.  

No entanto, uma boa análise é parte do processo. O que realmente define o sucesso é garantir a adequada ingestão de nutrientes pelo animal.  

Sabemos que do silo até a boca do animal, existem diversos fatores que podem “desbalancear a dieta”. Qualidade de mistura, distribuição do vagão, e seleção de cocho são alguns deles. 

Precisamos estar atentos a todos estes pontos para garantir que a dieta formulada foi de fato consumida pelo animal. 

Bibliografia 
*Colaboração de Willian Santos, engenheiro agrônomo e Msc Produção Animal (UFLA).   

Holmes, B. J., and R. E. Muck. 2007. Packing bunkers and piles to maximize forage preservation. Proc. 6th Int. Dairy Housing Conf. ASABE and Harvest and Storage. Accessed Jan. 15, 2017 

Undersander, D.; Shaver, R.; Linn, J.; Hoffman,P.;  Peterson, P. Sampling hay, silage, and total mixed rations for analysis . 2005. Extension of the University of Wisconsin-Extension. 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

EVENTOS PARCEIROS

Slide

Mais Lidas

Controle biológico de pragas: uso imprescindível

Controle biológico: entenda o que é, como aplicar em sua propriedade e quais são os diferentes tipos, além das vantagens e desvantagens. 

Silagem: como fornecer um alimento de alta qualidade para sua produção animal

Silagem: entenda o que é, seus principais tipos, características e saiba como produzir em quantidade e qualidade para alavancar sua produção animal 

Semente de milho: a protagonista da lavoura de sucesso

Semente de milho: entenda a diferença entre grão e semente, qual melhor forma de plantio, o que é semente híbrida e mais! 

Manejo de plantas daninhas em sorgo: Dual Gold e outras ferramentas de controle

Manejo de plantas daninhas em sorgo: competição das invasoras com a cultura, produtos recomendados, uso do Dual Gold, doses e outros. 

Estresse hídrico na cultura do milho: como minimizar os efeitos negativos

Estresse hídrico: entenda seus efeitos na planta do milho, quais os estágios mais críticos e como manejar para minimizar os prejuízos.