Início Manejo Fitossanitário Manejo de Doenças Manual do controle do míldio em milho

Manual do controle do míldio em milho

Míldio: como identificar na lavoura de milho, em que condições tem maior ocorrência, principais formas de controle, fungicidas e mais!

Conhecido por causar danos de até 90% na produção de sorgo e em 44 países, o míldio é também uma preocupação para as lavouras de milho no Brasil.

Plantas de milho infestadas com Peronosclerospora sorghi podem até mesmo se tornar estéreis quando a infecção ocorre nos primeiros estádios, além de outros danos.

Por isso, aqui vamos apresentar as condições que favorecem essa doença, como identificá-la no campo e, claro, como fazer o manejo eficiente. Confira!

Míldio: o que favorece a doença e como ela ocorre

O míldio causado por Peronosclerospora sorghi (falso-fungo oomiceto) é uma doença presente no mundo todo e que afeta as culturas de milho e sorgo. No Brasil, há relatos de ocorrência em diversas regiões produtoras, sendo os casos mais graves e recentes no Centro sul e agreste de Sergipe.

Embora atendam pelo mesmo nome de míldio, na cultura da soja a doença é causada pela espécie Peronospora manshurica.

Outra doença confundida com o míldio é o oídio, que apresenta sintomas parecidos, mas que ocorre na época seca e majoritariamente em soja e cucurbitáceas.

Quais as condições que favorecem o míldio em milho

Em geral, a doença é favorecida por temperatura moderada e umidade relativa alta. A produção de conídios (esporos do falso-fungo) está relacionada a umidade relativa superior a 80% e a temperatura ótima para esporulação entre 21 e 25°C. 

Um conidióforo maduro (180-300 µm) de P. sorghi mostrando a célula basal, o corpo principal do conidióforo e os conídios ligados aos estigmas
Fonte: ICRISAT

Para a infecção na planta ocorrer, são necessários um período de molhamento e temperatura entre 10 e 33 °C, por 4 h. Normalmente os sintomas se manifestam sete dias após a infecção.

Por isso, muitas vezes em uma mesma região com inóculo do patógeno podemos ter anos em que há grande incidência da doença, e outros em que ela não ocorre devido ao ambiente menos favorável.

Além disso, o patógeno é um parasita obrigatório, ou seja, não se reproduz em restos culturais, sendo totalmente dependente dos hospedeiros, o que facilita um pouco o seu manejo. Ele também tem estruturas de resistência que podem ficar no solo por vários anos

No entanto, um fator importante é que ele se reproduz e sobrevive em hospedeiros secundários, como plantas daninhas que permanecem na entressafra, áreas de pousio e às margens de rodovia, sendo o capim-massambará (Sorghum halepense) o mais difundido no Brasil.

Sintomas: Como reconhecer se há míldio na lavoura de milho

O míldio é um oomiceto (falso fungo) e apresenta as fases assexuada e sexuada no seu ciclo de vida. 
A fase assexuada geralmente produz lesões localizadas que se caracterizam por manchas cloróticas e retangulares, além de serem limitadas pelas nervuras laterais. 

Pode também apresentar crescimento pulverulento branco nas folhas (aspecto de algodão, que são os conídios) em condições úmidas e frias .

Já na reprodução sexuada, ocorre a infecção sistêmica, causando estrias verdes e cloróticas paralelas, além de folhas mais estreitas e eretas, como você pode ver abaixo:

folhas cloróticas

Em estádios avançados dessa infecção sistêmica, especialmente em sorgo, as folhas se rasgam pela ação do vento e os oósporos são liberados infestando o solo, onde podem sobreviver. Além disso, nas infecções avançadas é comum haver a esterilidade das plantas, não havendo a formação de espigas.

folhas se rasgam pela ação do vento e os oósporos são liberados infestando o solo, onde podem sobreviver

Outro sintoma bem característico são os pendões deformados apresentando estruturas filoides (aspecto de folha) característica denominada pendão-louco ou “crazy top”, sendo que abaixo você pode ver como é esse sintoma:

Como combater o míldio em milho 

O manejo preferencial para o míldio é através da resistência genética de cultivares. Ou seja, se sua região tem problemas com essa doença, prefira híbridos com maior resistência.  A Sementes Biomatrix possui tais híbridos, como o BM 930 e BM 709.

Aliado a isso, o controle cultural é fundamental para o controle efetivo da doença. A rotação com culturas não hospedeiras é um bom exemplo e essa medida é mais fácil de ser feita no Brasil, já que a doença ataca somente as culturas de milho e sorgo no país. 

As medidas culturais de controle de tiguera do milho e sorgo, bem como das plantas daninhas hospedeiras, também reduzem sensivelmente o inóculo e a sobrevivência do patógeno ao longo dos anos. Essa técnica é eficiente especialmente nas áreas em que os oósporos são a principal fonte de infecção e a infestação do solo é severa.

Aração profunda é outra prática eficaz, porém cara, para reduzir a incidência de míldio, principalmente a quantidade de oósporos na camada superficial do solo. A semeadura antecipada também é uma boa opção para regiões que costumam possuir grande quantidade de inóculo.

Controle químico: Fungicidas para míldio

O metalaxil é o produto mais difundido para o controle de P. sorghi, sendo um fungicida sistêmico absorvido pelas folhas, caules e raízes. O produto inibe a síntese de proteínas do patógeno e pode ser aplicado de várias formas para o controle da doença.

O método mais comum é a utilização do produto no tratamento de sementes, lembrando que ele não afeta a germinação dos esporos ou a penetração do patógeno no hospedeiro, mas inibe o seu desenvolvimento.
A avaliação do controle e/ou resistência geralmente é feita pela incidência de plantas com a doença (% de planta doentes), mas também é possível avaliar a severidade de míldio através da escala abaixo.

Escala para avaliação de severidade de Míldio (Lal e Singh, 1984). (AR – altamente resistente, R – resistente, MR – moderadamente resistente, MS – moderadamente suscetível, S -suscetível).

Manejo integrado

A combinação de medidas de controle é extremamente benéfica. Por exemplo, o uso de um híbrido resistente combinado com um tratamento de sementes com fungicida reduz o risco do patógeno se tornar resistente ao produto e prolonga a vida da tecnologia do híbrido.

Veja também nossos artigos sobre enfezamento no milho e mancha-branca no milho!

Conclusão

Aqui mostramos que o míldio ocorre principalmente em temperaturas amenas a moderadas e em ambientes com umidade alta.

Você conferiu também as medidas para um manejo mais eficiente, como a adoção de híbridos de milho mais resistentes, controles culturais e fungicidas.

Bibliografia

*Colaboração de Jeferson Rodrigo Pestana, engenheiro agrônomo, mestre em fitopatologia especialista em Proteção de Plantas
LAL, S.; SINGH, I. S. Breeding for resistance to downy mildews and stalk rots in maize. Theoretical and applied genetics, v. 69, n. 2, p. 111-119, 1984.
CABI, 2020. Invasive Species Compendium. Wallingford, UK: CAB International. www.cabi.org/isc.

Você já teve problemas com míldio na sua área? Conhece um manejo que não citamos aqui? Restou alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo! 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

EVENTOS PARCEIROS

Mais Lidas

Fibra em Detergente Neutro (FDN): fibras na nutrição dos animais ruminantes

Fibra em Detergente Neutro (FDN): o que é, importância, modo de determinação e como interpretar com a finalidade de aumentar a eficiência do seu uso nas dietas.

Lagartas do milho: como identificar as principais

Lagartas do milho: quais são as principais lagartas, as características de cada uma e como identificá-las corretamente.  A cultura do milho...

Cercosporiose: manejo efetivo na cultura do milho

Cercosporiose: quais condições favorecem, como identificar na sua área e fazer o manejo, incluindo fungicidas, para um controle efetivo. 

Controle biológico de pragas: uso imprescindível

Controle biológico: entenda o que é, como aplicar em sua propriedade e quais são os diferentes tipos, além das vantagens e desvantagens. 

Silagem: como fornecer um alimento de alta qualidade para sua produção animal

Silagem: entenda o que é, seus principais tipos, características e saiba como produzir em quantidade e qualidade para alavancar sua produção animal