Início Manejo Fitossanitário Manejo de Doenças Mancha de Bipolaris do milho: identificação e manejo

Mancha de Bipolaris do milho: identificação e manejo

Bipolaris maydis: veja como identificar corretamente a doença, diferenciando de outras no campo, além de conhecer seu manejo e mais! 

A mancha de Bipolaris no Brasil é muitas vezes confundida com outras doenças, seja pela mudança da nomenclatura utilizada ao longo dos anos ou pela similaridade de sintomas com outras doenças do milho

Anteriormente o gênero Helminthosporium englobava as espécies Helminthosporium maydis e H. turcicum, porém essas espécies foram reclassificadas passando a receber novos nomes. 

Por exemplo, H. turcicum que hoje é chamada Exserohilum turcicum, é causadora da mancha de turcicum, ou “HT”. 

H. maydis atualmente é classificada como Bipolaris maydis e causa a doença mancha de Bipolaris do milho, que vamos abordar neste artigo. 

Muitas vezes ouvimos o termo “helmintosporiose” e, devido a essa mudança de nomes, pode haver confusão em relação a qual doença é referido. 

O que realmente é mais complicado é a sua identificação ao nível de campo, pois os sintomas da mancha de Bipolaris maydis são parecidos com outros patógenos e muitas vezes podem estar presentes junto com outras doenças no milho. 

Aqui vamos aprender a identificar corretamente e fazer o manejo efetivo para Bipolaris do milho. 

Sintomas de Bipolaris maydis no milho

A doença pode ser causada por três diferentes raças B. maydis: as raças T, O e C. As raças T (mais agressiva) e C atacam somente genótipos de milho com citoplasma macho-estéril T e C, respectivamente.  

Já, a raça O causa lesões foliares em genótipos com qualquer tipo de citoplasma e é que mais ocorre nos atuais cultivos de milho. 

Apesar de todas as partes aéreas das plantas de milho serem suscetíveis à infecção pelo fungo, as lesões foliares são as mais observadas no campo. Os sintomas da mancha de Bipolaris são bastante variáveis, em função do híbrido de milho e das raças do fungo.  

O patógeno causa lesões inicialmente pequenas e ovaladas e podem apresentar coloração marrom e bordas avermelhadas, quando maduras essas lesões tornam-se alongadas, elípticas e orientadas pelas nervuras medindo em torno de 2,5 x 0,7 cm.  

À esquerda: lesões iniciais, pequenas e ovaladas; à direita: lesões maduras, alongadas, elípticas e orientadas pelas nervuras.  
Foto: Jeferson Pestana 

Sob alta pressão da doença, pode ocorrer a coalescência das lesões, provocando a necrose (seca) da lâmina foliar. 

Como diferenciar sintomas Bipolaris maydis de outras doenças 

Comumente a mancha de Bipolaris é confundida com outras doenças (figura abaixo) como: 

Cercospora: As lesões de Cercospora são bem delimitadas pelas nervuras apresentando geralmente formato “retalangular”, Bipolaris seguem as nervuras, mas apresentam tortuosidades e formato de “elíptico” a “losango”. 

Turcicum: As lesões de Turcicum são bem maiores que de Bipolaris, usualmente variam de 5 a 15 cm de comprimento x 2 cm de largura. 

Kabatiella (mancha ocular):  Lesões de kabatiella são arredondadas e menores que de mancha de Bipolaris, variando entre 0,1 a 0,5 cm. 

Esquema de comparação de sintomas de diferentes doenças do milho. 
Fonte: Sementes Biomatrix

Condições de favorecimento da Bipolaris maydis  

A disseminação do fungo ocorre no campo, principalmente, pelos respingos de chuva e vento. O desenvolvimento é favorecido por temperaturas entre 22°C e 32°C e elevada umidade relativa do ar, sendo que a condição ideal para a penetração do fungo folha consiste na presença de orvalho.  

A sobrevivência do patógeno ocorre em restos culturais remanescentes na área após a colheita. 

A mancha de Bipolaris pode causar perdas superiores a 70% na produção, quando ataca genótipos sensíveis em condições favoráveis ao patógeno. 

Nos últimos anos houve relatos de alta incidência da doença no Nordeste e Centro-Oeste, associados a alta temperaturas e umidade. 

Manejo da Bipolaris maydis 

Para um controle efetivo da doença é necessário utilizar o manejo integrado de doenças que englobam: 

  • Utilização de cultivares com resistência/tolerância a doença (por exemplo: BM270, BM709, BM990, BM3063); 
  • Fazer rotação de culturas, visto que o fungo sobrevive na palhada; 
  • Até o momento não há registro de fungicidas específicos para o controle da mancha de Bipolaris em milho, ainda assim é possível observar a nível de campo que produtos à base de misturas de triazois e estrobilurinas tem bom controle para essa doença, como pode ser observado na figura abaixo: 
Tratamento com e sem fungicida para controle de Mancha de Bipolaris em milho. 
Fonte: Sementes Biomatrix

Na Tabela abaixo também é possível ver a produtividade deste ensaio com e sem fungicida: 

Conclusão 

Embora a Bipolaris maydis seja, a princípio, de difícil identificação ao nível de campo, reconhecendo bem os seus sintomas é possível identificá-la e diferenciá-la de outras doenças, como vimos neste artigo. 

A partir desse ponto, seguimos com o manejo recomendado, como rotação de culturas, utilização de híbridos com resistência/tolerância à doença e algumas opções de manejo químico. 

Referências Bibliográficas 

*Colaboração de Jeferson Rodrigo Pestana, engenheiro agrônomo, mestre em fitopatologia especialista em Proteção de Plantas. 

AGRIOS, G. N. Plant diseases caused by fungi. In: AGRIOS, G. N. Plant pathology. 5th ed. Amsterdam: Elsevier, 2005. p. 467-468. 

EMBRAPA. Mancha-de-Bipolaris-do-Milho. Circular Técnica 207. 2014. Disponível em:  https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1012083/1/circ207.pdf. Acesso em: 06 mar. 2022. 

KIMATI, H. et al. (Ed.). Manual de fitopatologia: doenças de plantas cultivadas. Piracicaba: Agronômica Ceres, 2005. p. 477-488. 

Veja também:

Enfezamento do milho: Como fazer o manejo efetivo e evitar prejuízos

Grãos ardidos em milho: manejo efetivo

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

EVENTOS PARCEIROS

Mais Lidas

Milho-Verde: A Busca da Qualidade Suprema

Milho-Verde: Entenda os quesitos agronômicos dos híbridos para milho-verde, atributos importantes de consumo e seus mercados. A cultura do...

Uso de inoculantes na silagem: Devo ou não fazer?

Inoculantes: Entenda como esses microrganimos se comportam e a importância de se utilizar o inoculante correto na silagem. Os...

Fenologia do milho: entenda o ciclo e estádios da cultura

Fenologia do milho: Entenda quais são os estádios fenológicos e como identificar cada um deles A fenologia é o...

Sorgo: entenda mais sobre seu cultivo e vantagens

Sorgo: como é esse cultivo, seu uso na alimentação animal, comparação com milho, vantagens e mais informações. Em meio...

Plantabilidade: importância e como corrigir falhas

Plantabilidade: entenda o que significa, como calcular o número de plantas e de adubo por metro linear e mais!