Início Manejo Fitossanitário Manejo de Doenças Enfezamento do milho: Como fazer o manejo efetivo e evitar prejuízos

Enfezamento do milho: Como fazer o manejo efetivo e evitar prejuízos

Enfezamento do milho: entenda mais sobre a doença, sintomas, principais medidas de controle e manejo do vetor cigarrinha.

A incidência dos enfezamentos tem aumentado nos últimos 3 anos, principalmente em regiões em que se é praticado o cultivo sucessivo de milho, como Minas Gerais e Sudoeste de Goiás.

Essa ponte verde favorece a migração e desenvolvimento da cigarrinha-do-milho, principal transmissor da doença.

Neste cenário, é importante conhecer as medidas mais efetivas para controlar o complexo de enfezamentos, as quais envolvem também o manejo da cigarrinha.

A seguir, entenda mais sobre o enfezamento e veja como evitar prejuízos pela sua ocorrência:

Enfezamento vermelho, enfezamento pálido e seus sintomas

Os enfezamentos geralmente são causados por molicutes, que são bactérias sem parede celular. 

Estes microrganismos infectam o milho e se reproduzem nos vasos condutores de seiva (floema), dificultando a absorção e assimilação de nutrientes pela planta, o que a torna mais suscetível a doenças secundárias como tombamentos e podridões. 

Os sintomas dos enfezamentos são mais evidentes após o estágio reprodutivo. Tanto o enfezamento pálido como o vermelho podem causar a proliferação e/ou mal granação das espigas e redução de porte e até morte prematura. 

Má granação pela ocorrência de enfezamento do milho

Nos pivôs, também tem sido constatado o quebramento de plantas verdes associado ao enfezamento do milho. 

Os enfezamentos no milho podem ser do tipo pálido, causado por espiroplasma, ou vermelho, causado por fitoplasma.  O pálido é conhecido por causar o amarelecimento/clorose da planta, enquanto o enfezamento vermelho no milho causa um avermelhamento ou arroxeamento.

Contudo, é difícil diagnosticar o tipo de enfezamento somente pela coloração da planta, pois outros fatores interferem, como nutrição, estresse hídrico e temperatura, etc.  Além disso, uma mesma planta pode conter o fitoplasma e/ou espiroplasma, agravando ainda mais o diagnóstico e, claro, os prejuízos.  

Lavouras com sintomas do enfezamento do milho

Fatores que favorecem o enfezamento do milho – e como impedir que eles ocorram

Como já comentado, em muitos dos locais em que foi verificado aumento dos enfezamentos, há a semeadura de milho tanto na safra de verão como na safrinha. Isso ocorre por conta da disponibilidade de pivôs para irrigação na produção. 

Assim, a presença das plantas de milho em safras seguidas permite a chamada “ponte verde” para pragas. Ou seja, há o alimento durante todos esses meses para a cigarrinha (Dalbulus maidis), vetor do enfezamento, garantindo a presença do inóculo da doença a ser disseminada. 

Da mesma forma, a presença de plantas voluntárias de milho (de tiguera), também é um fator considerável, já que funcionam como uma ponte verde entre as diferentes épocas de cultivo de milho.

Outro fator importante é a capacidade da cigarrinha-do-milho migrar de lavouras mais velhas para aquelas mais novas, possibilitando maior tempo de desenvolvimento da praga e maior disseminação da doença.

A redução de aplicação de inseticidas para lagartas, devido ao uso de cultivares transgênicas (milho Bt), bem como a própria diminuição da população de lagartas, diminuindo a competição, também pode ter favorecido o aumento da população das cigarrinhas-do-milho. 

Cigarrinha na folha de milho

Tendo em vista esses fatores, podemos entrar com medidas preventivas em relação a cada uma delas:

Como prevenir os enfezamentos do milho

• Cultive híbridos com maior tolerância (chamado também de “milho tolerante a cigarrinha”)

• O controle de plantas voluntarias de milho (tiguera) é fundamental para evitar a ponte verde entre lavouras já infectadas e novas plantações;

• Controle também outras plantas hospedeiras, como braquiária (sobrevivência, mas não reprodução);

• Em áreas próximas onde já foi detectado o enfezamento é recomendado evitar novos plantios de milho, bem como cultivo sucessivo, pois haverá fluxo de cigarrinhas contaminadas para a nova lavoura;

• Ainda nesse sentido, considere realizar a rotação de culturas com plantas não hospedeiras da doença (não cultivar sorgo ou braquiária, por exemplo), cabe enfatizar que sorgo não é suscetível aos enfezamentos;

• É fundamental tratar as sementes com inseticidas registrados para controlar a cigarrinha nos primeiros estádios das plantas e aplicação foliar principalmente até v6;

• Em áreas de grande incidência, considere fazer a calendarização de semeadura com os produtores da sua região, grandes períodos de milho disponível para a cigarrinha, já que a praga possui grande capacidade de migração;

• Nesse sentido, evite também plantios escalonados.

Entenda mais sobre o vetor da doença: cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis)

A cigarrinha do milho é a única que transmite o fitoplasma e o espiroplasma (Spiroplasma kunkelii) no Brasil, além de transmitir o raiado fino no milho, uma virose (maize rayado fino marafivirus –. MRFV).

Cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis)Fonte: Valarezo, Intriago e Muñoz – Facultad de Ingeniería Agronómica de la Universidad Técnica de Manabí

A cigarrinha é um inseto ágil, apresenta cor amarelo-palha e 0,4 cm de comprimento tem duas manchas circulares negras na cabeça.  Seu ciclo (ovo até adulto) tem em torno de 25 dias, e a longevidade do adulto em média é de 50 dias, podendo chegar a 110 dias.

Muitas vezes a cigarrinha-do-milho é confundida com a cigarrinha-das-pastagens/cana (Deois spp. e Mahanarva spp.), no entanto repare na imagem abaixo que essas espécies diferem da cigarrinha-do-milho em vários aspectos, especialmente as cores mais escuras e o maior tamanho. 

Cigarrinha-das-pastagens (Deois flavopicta)
Fonte: Embrapa

A distribuição da praga é ampla, ocorrendo desde o sul dos Estados Unidos da América até a Argentina. Esta praga também pode ser disseminada por correntes de ar a distâncias de até 25 km, podendo contaminar lavouras distantes do seu ponto de origem.

Para a cigarrinha transmitir a doença, primeiramente é preciso que ela adquira o patógeno de outra planta contaminada. E para que ocorra a transmissão da cigarrinha contaminada para uma planta sadia são necessários entre alguns minutos ou horas de alimentação no milho.

Principais medidas de controle para cigarrinha-do-milho

O manejo deve englobar primeiramente medidas preventivas, as quais já forma mencionadas no início deste artigo.

Lembrando que a principal ferramenta de controle é o uso de híbridos mais tolerantes aos enfezamentos, conforme já aqui comentado.

Com isso em mente, é imprescindível o monitoramento da lavoura de milho, desde os estágios iniciais para identificar a presença das cigarrinhas e/ou sintomas dos enfezamentos, tornando possível saber a dimensão do problema na área.

Além disso, o controle químico com a pulverização com inseticidas até o estágio de V6 a V8 do milho pode reduzir a incidência dos enfezamentos. 

A utilização de tratamento de sementes e as pulverizações com inseticidas, em diversas lavouras na mesma região, também reduz a população de cigarrinhas

Alguns exemplos de ingredientes ativos dos produtos registrados para o controle da cigarrinha são Tiametoxam, Imidacloprido, Clotianidina (Neonicotinoides), mistura de Lambda-cialotrina + Tiametoxam (Piretroide + Neonicotinoide) e Beauveria bassiana (biológico).

Ainda assim, a eficiência das aplicações vai depender da pressão da praga no local, do efeito residual do inseticida e da preservação dos inimigos naturais, os quais podem ter populações reduzidas com o excesso de pulverizações.

Veja também nossos artigos sobre míldio e mancha-branca no milho!

Conclusão

Aqui você viu como é feito o manejo adequado dos enfezamentos do milho para evitar prejuízos, conhecendo melhor seus sintomas e condições de favorecimento dessas doenças.

Falamos também de como fazer o controle químico, inclusive as principais épocas de controle e produtos para isso.

Aproveite esse conhecimento e deixe sua dúvida ou comentário aqui!

Bibliografia

*Colaboração de Jeferson Rodrigo Pestana, engenheiro agrônomo, mestre em fitopatologia especialista em Proteção de Plantas

OLIVEIRA C.D. et al. Recomendações para o manejo de doenças do milho disseminadas por insetos-vetores. Circular Técnica 205, 15p., 2014.

OLIVEIRA C.D., SABATO E.D. Doenças em milho: insetos-vetores, molicutes, vírus. Brasília, DF: Embrapa. 2016.

Como você faz o manejo do enfezamento do milho? Ficou alguma dúvida ou tem sugestões? Deixa seu comentário abaixo!

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Híbridos para safrinha: características para fazer a melhor escolha

Híbridos para safrinha: quais as características que o milho deve ter para minimizar possíveis prejuízos e garantir maior rentabilidade.  Você...

Implantação e manejo do consórcio milho-brachiaria

Consórcio milho-brachiaria: como impedir competição com o milho, como fazer manejo adequado e o ajuste de população de plantas, além de outras dicas...

Como plantar milho: 5 perguntas e respostas para alta produtividade

Como plantar milho: como preparar o solo para milho, épocas de plantio, diferenças entre milho silagem, milho-verde e milho grão e mais! 

Armazenamento de sementes de milho: importância e como fazer

Armazenamento de sementes de milho: entenda sua importância, os fatos que inferem no bom armazenamento e como fazer isso na revenda ou fazenda. 

Grãos ardidos em milho: manejo efetivo e sem prejuízos

Grãos ardidos em milho: quais são os fungos que causam, as condições que favorecem seu aparecimento e como fazer identificação e controle efetivo.